segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Queda no Consumo de Fertilizantes - Menor Produtividade das Lavouras

Segundo informações da ANDA – Associação Nacional para Difusão do Adubo – a entrega de fertilizantes ao consumidor, no período de janeiro a junho de 2009 caiu em 26,5%; são quase 8,5 milhões de toneladas contra as 11,5 milhões entregues no mesmo período em 2008. A produção nacional de fertilizantes também caiu em 1 milhão de toneladas, enquanto as importações, para uso em fertilizantes, tiveram uma queda mais drástica: cerca de 5,3 milhões de toneladas, ou seja, 61,1% em relação a 2008.
A preocupação é que no mesmo período, nestas três áreas (entrega, produção e importação) os sinais eram de crescimento nos anos de 2005 a 2008; contrariada pela queda em 2009. Aliás, esta queda já começou em setembro do ano passado.
Mas o que podemos esperar do 2° semestre? Até o ano passado o maior volume de fertilizantes entregue aos produtores era no 2° semestre; alcançando mais de 100% em relação ao 1° semestre. Se continuar este quadro, estimamos que o 2° semestre não será igual aos anteriores. E a sobra de tudo isto? Claro, um reflexo na produtividade das lavouras. A não reposição de níveis ideais de nutrientes contribui para um processo paulatino de empobrecimento do solo que se transmite à produtividade das lavouras. Podemos esperar para a safra 2009/2010 uma queda maior de produção das lavouras; considerando a mesma área de plantio da última safra. Na safra 2008/2009, isto já vai começar a ser sentido.
O produtor vem trocando mais produção agrícola para comprar uma tonelada de adubo. Há um aumento no preço dos insumos e uma queda ou manutenção nos preços de venda dos produtos agrícolas. E a medida adotada pelo agricultor é reduzir o consumo de fertilizantes a fim de diminuir os custos da lavoura. Entretanto, é uma faca de dois gumes; minimiza os custos, mas a rentabilidade cai.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Interpretação de Análise do Solo - Cálculos de S, CTCs, m% e V%.

Na interpretação de uma análise de solo é importante conhecermos os valores S da soma de bases, as capacidades de troca de cátions efetiva e a pH 7,0, a percentagem de saturação por alumínio (m%) e a percentagem de saturação por bases (V%). Para determinação da calagem, em vários Estados brasileiros, se utiliza o valor V% que diferencia os solos férteis dos solos de baixa fertilidade. Baseado num resultado hipotético de uma análise de solo, vamos calcular estes valores tão importantes para o técnico na recomendação da calagem e dos fertilizantes, visando uma maior produtividade das culturas.
Uma análise do solo aponta os seguintes teores de nutrientes no solo.


1) Cálculo da soma de bases (S)

Aqui temos um problema. No cálculo da soma de bases (S) das CTC efetiva e a pH 7,0, dos valores (m%) e (V%) os cátions deve estar expressos, todos eles, em cmolc/dm³ ou mmolc/dm³. No resultado da análise acima, o K está expresso em mg/dm³. Então, é preciso transformar estes mg/dm³ K em cmolc/dm³ de K.
25 mg/dm³ K = 0,025 g/dm³ K  (atualização em 07/07/2014)
cmolc = peso atômico (em g) /valência/100
O peso atômico do K = 39 e sua valência é igual a 1
1 cmolc/dm³ K = 39g/1/100 = 0,39 g K
Como 1cmolc/dm³ K corresponde 0,39 g K
............X...................corresponderá 0,025 g K
X = 0,025 x 1 / 0,39 = 0,06 cmolc/dm³ K
Portanto 25 mg/dm³ K = 0,06 cmolc/dm³ K
Agora podemos calcular a soma de bases pois todos os nutrientes estão expressos na mesma unidade.
S = Ca²+Mg²+K¹ = 05+0,1+0,06 = S=0,66 cmolc/dm³

2 - Cálculo da CTC efetiva do solo (t)
Empregaremos a fórmula t = S + Al³
t = 0,66 + 1,7 = 2,36
t = 2,36 cmolc/dm³

3 - Cálculo da percentagem de saturação por Al da CTC efetiva (m%)m % = (100 x Al) / t = (100 x 1,7) / 2,36 = 72
m % = 72%
Neste solo, a percentagem de saturação por Al da CTC efetiva é de 72%.

4 - Cálculo da percentagem de saturação por bases da CTC efetiva
100 – m = 100 – 72 = 28
A percentagem de saturação por bases da CTC efetiva é de 28 %.

5 - Cálculo da CTC a pH 7,0 (T)T = S + (H + Al) = 0,66 + 5,4 = 6,04
T = 6,04 cmolc/dm³

6 - Cálculo da percentagem de saturação por bases (V%) da CTC a pH 7,0
V% = (100 x S) / T = (100 x 0,66) / 6,04 = 10,9%.
V = 10,9%.

7 - Cálculo da percentagem de saturação por ácidos da CTC pH 7,0
100 – V = 100 – 10,9 = 89,1%
O solo, conforme os dados da análise, é um solo com baixo teor de bases trocáveis que ocupam quase 28% da CTC efetiva e 10,9% da CTC a pH 7,0. O valor da CTC efetiva é baixíssimo. O solo apresenta baixa capacidade de reter cátions. A argila deste solo é uma argila de baixa reatividade. Por outro lado, 72% dos pontos de troca estão ocupados pelo Al em relação a CTC efetiva. Isto oferece grandes limitações ao desenvolvimento das culturas. A calagem e aplicações de fertilizantes devem ser importantes recomendações para este solo, visando aumentar a produtividade da lavoura.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Adubação Foliar - Parte II

Na Parte I abordamos sobre a importância da adubação foliar na correção de deficiências, os tipos de adubação via folha e a lei do mínimo. Continuaremos, nesta parte II, a tecer comentários sobre a importância desta prática que vem crescendo ano a ano o interesse dos produtores pela adoção da mesma.

Leia a parte 1 desse artigo em:
Adubação foliar - Parte 1

Na adubação foliar, dois mecanismos se processam:
1) penetração do nutriente através da cutícula para o interior da folha. Isto se faz de maneira rápida. É a “fase passiva”.
2) o nutriente penetra no interior da célula. É um processo demorado. É a “fase ativa”.
A menor quantidade de ceras presentes na cutícula favorece a absorção dos nutrientes. As cutículas devem estar bem hidratadas. Substâncias lipoidais penetram mais facilmente nas folhas mais velhas. A absorção de nutrientes é mais intensa nas folhas novas do que nas folhas adultas e velhas.
Em relação aos nutrientes, a mobilidade dos mesmos é um dos fatores que influi na absorção de nutrientes:
Íons móveis; sódio (Na), nitrogênio (N), fósforo (P), potássio (K), enxofre (S), cloro (Cl).
Íons parcialmente móveis: os micronutrientes - zinco (Zn), cobre (Cu), ferro (Fe), molibdênio (Mo) e manganês (Mn).
Íons imóveis: cálcio (Ca) e magnésio (Mg).

Vantagens x benefícios da adubação foliar
1) dosagem precisa
– traz importantes benefícios como: menor custo na aplicação; não há desperdício de nutrientes; a aplicação é homogênea; melhor aproveitamento dos nutrientes;
2) maior uniformidade na aplicação – a lavoura apresenta-se mais homogênea; o ponto de maturação torna-se igual; e maior produtividade são os benefícios desta vantagem;
3) redução na mão-de-obra – importantes benefícios como a diminuição de custos; aplicação simultânea com herbicidas fungicidas e inseticidas.

No emprego dos fertilizantes foliares deve-se levar em consideração uma série de cuidados quanto às condições de aplicação:
Os fertilizantes foliares devem ser aplicados:
1) em dias frescos e nublados;
2) de manhã cedo e no final da tarde;
3) quando as plantas estiverem túrgidas. Quando há boa disponibilidade de água no solo, a planta mantém as células túrgidas favorecendo a penetração dos nutrientes via foliar;
4) depois da irrigação.
Os fertilizantes foliares não devem ser aplicados:
1) em dias claros e quentes;
2) nas horas mais quentes do dia;
3) quando as plantas estão murchas;
4) antes da irrigação.
O uso de agentes molhantes ou adesivos melhoram a cobertura das pulverizações sobre a superfície das folhas.
Os surfactantes são substâncias que adicionadas às soluções, suspensões ou emulsões, diminuem as tensões interfaciais e funcionam como estabilizadores das mesmas. São usados em pequenas quantidades (0,1 a 2 %). Entre eles encontramos:
Espalhantes – diminuem o ângulo de contato da água com a superfície das folhas.
Molhantes – promovem um contato maior da solução com a superfície das folhas. É o caso do uso de sabões, detergentes, lecitina de soja.
Adesivos – têm as propriedades dos molhantes mas de maneira mais acentuada. Eles formam um película protetora impedindo que a solução escorra.
Humectantes – dificultam a evaporação da água.
Dispersantes – são usados como estabilizadores de suspensões sólidas em água. É o caso da lecitina de soja.
Emulsionantes – também são estabilizadores de emulsões de óleo e água.

Efeito do pH
O pH do solo além de influir na absorção de nutrientes pode agir na disponibilidade dos mesmos. O fósforo é absorvido pela planta em pH ácido como H2PO4-, enquanto os íons HPO4-² e PO4-³ em pH alcalino.

Fontes de nutrientes
Ácidos – ácido fosfórico e ácido bórico.
Hidróxidos – hidróxido de cálcio.
Quelatos – quelatos de ferro (Fe-EDTA).
Óxidos – óxido de zinco e óxido manganoso (MnO).
Nos solos com alto teor de manganês, o ferro encontra-se em baixa disponibilidade. Fazer pulverizações com zinco.
Em citros as deficiências de zinco são corrigidas com aplicações de compostos de zinco.
No café, em solos argilosos, as deficiências de zinco são corrigidas com sulfato de zinco.
A adubação foliar é uma forma mais eficiente de corrigir deficiências de ferro (Fe) em solos alcalinos.


INCOMPATIBILIDADE
Chama-se incompatibilidade de fertilizantes a utilização de dois ou mais materiais que produzam uma deterioração de suas propriedades físicas e/ou químicas, diminuindo a eficiência dos mesmos.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Análise de Solos - Os Conceitos de S, CTCs, m%, V%

A análise do solo é o instrumento que o técnico utiliza para recomendar as necessidades de calagem e fertilizantes, melhorando as condições de fertilidade de um solo, para que as plantas encontrem os nutrientes que elas precisam para responder com altas produtividades. É importante o conhecimento dos conceitos abaixo para que tenhamos uma noção mais ampla das condições e manejo da fertilidade do solo. Vamos comentar a importância de cada um, as fórmulas utilizadas para cálculos da soma de bases, CTCs, percentagem de saturação por Al³, percentagem de saturação por bases (V%) e outros.
1 - Soma de bases trocáveis (S) ou (SB)

Aqui se calcula a soma dos cátions Ca² + Mg² + K + Na. Os cátions estão na forma trocável no complexo de troca do solo. Através do valor da soma de bases podemos calcular a CTC efetiva, a CTC a pH 7,0, a saturação por bases (V%).
S = Ca²+Mg²+K+Na.
O valor da soma de bases é expresso em cmoc/dm³ ou mmolc/dm³. Convém lembrar que todos os cátions devem estar expressos em cmoc ou mmolc . Se a análise do solo apresentar os cátions com unidades diferentes, eles devem ser transformados para as unidades que expressam a soma de bases. Além disto, cmoc/dm³ x 10 = mmolc/dm³. Da mesma forma, mmolc/dm³ dividido por 10 = cmoc/dm³.
"A soma de bases (S) dá uma indicação do número de cargas negativas que estão ocupados por bases nos colóides do solo".

2 - Capacidade de Toca de Cátions - CTC efetiva (t)
Esta nos diz a capacidade efetiva de um solo em reter cátions próximos do seu pH natural.
t = S + Al³
Os valores são expressos em cmoc/dm³ ou mmolc/dm³.

3 - Capacidade de Troca de Cátions - CTC a pH 7,0
É a quantidade de cátions adsorvida a pH 7,0 ou, em outras palavras, a CTC potencial do solo. Seria o valor a ser atingido se a calagem elevasse o pH a 7,0. "O máximo de cargas negativas que seriam liberadas a pH 7,0 para serem ocupadas por cátions".
A CTC a pH 7,0 (T) diferencia-se da CTC efetiva a pH natural (t), pois ela inclui o H. O íon H encontra-se em ligação covalente, muito forte, com os óxidos de ferro e alumínio, e o oxigênio (O) dos radicais orgânicos.
T = S + (H + Al³)
Se desejamos liberar cargas negativas que estão ocupadas pelo H na CTC a pH 7,0 devemos elevar o pH do solo acima de 5,5. Nesta faixa não existe mais o Al³ trocável. Em certas culturas, quando se aplicam doses elevadas de calcário ele irá neutralizar parte destes íons H ou acidez não trocável.

4 - Percentagem de saturação por Alumínio (m%)
Expressa quanto por cento da CTC efetiva está ocupada pela acidez trocável ou Al trocável.
"Seria a percentagem de cargas negativas do solo que está ocupada pelo Al³ trocável, próximo ao pH natural do solo. Ela expressa a toxidez do alumínio".
Quanto mais ácido for o solo, maior o teor de alumínio trocável, maior a percentagem de saturação por Al, menores os teores de Ca, Mg, K e, consequentemente, menor a soma de bases trocáveis.
m (%) = (100 x Al³) / t = (100 x Al³) / Ca²+Mg²+K¹+Na¹+Al³
Em solos arenosos, com alta saturação por Al³, a produção de massa verde de soja reduz consideravelmente a partir de 12% no valor m%. A soja é sensível à saturação por alumínio. Doses de calcário devem ser recomendadas para elevar a saturação por bases (V%) em 60%.
Em solos argilosos, a situação não é tão ruim. Aqui o fator limitante na produção de massa verde da soja foi a partir do valor m% de 31%. Em solos argilosos a saturação por bases (V%) deve ser elevada para 50%.
No sistema de plantio direto, deve-se considerar V = 60%.
Neste experimento, a relação Al/Ca teve comportamento drástico na produção de massa verde da soja em solos arenosos onde o valor da relação ficou em torno de 0,2. Nos solos argilosos a relação Al/Ca foi de 0,5.
Quando a saturação por Ca for inferior a 4 ou 5 vezes o alumínio, a produção de massa verde da soja cai drasticamente em solos arenosos. Já em solos argilosos, com a saturação de Ca duas vezes mais que a saturação por alumínio, ou seja uma relação Al/Ca igual a 0,5 o comportamento é menos drástico.
O efeito tóxico do Al é maior no solo arenoso do que no solo argiloso.
Quando se adiciona calcário na dosagem recomendada aumenta-se os teores de Ca e Mg e vai reduzindo os teores de Al³ (acidez trocável), até que no pH 5,6 o Al³ , praticamente, deixa de existir . Com isto o valor da percentagem de saturação por Al (m%) fica zerado. E, por consequência, a percentagem de saturação por bases da CTC efetiva deve ser 100%. Neste patamar a acidez trocável deixa de existir.
Diminuindo-se de 100 o valor encontrado em m%, teremos a percentagem de saturação por bases da CTC efetiva.5 - Percentagem de saturação por bases (V%)

Este valor expressa quanto por cento dos pontos de troca de cátions no solo estão ocupados por bases. Ou seja, “quanto por cento das cargas negativas a pH 7,0 estão ocupadas por Al e H; o valor V% serve para diferenciar solos pobres (V<50>50)”.
Vários Estados brasileiros utilizam o V% para recomendar a quantidade de calcário a ser aplicada ao solo, pelo método de elevação de bases.

V% = (100 x S) / T = [100 x (Ca+Mg+K+Na)] / (Ca+Mg+K+Na+H+Al)
Diminuindo-se de 100 o valor V encontramos a percentagem de saturação por ácidos da CTC a pH 7,0.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Adubação Foliar - Parte I

No Brasil, os solos são variados de região para região o que resulta na deficiência de vários macros e micronutrientes importantíssimos para o desenvolvimento da planta. Estas deficiências podem ser agravadas pela aplicação de um nutriente que acentua ou induz a deficiência de outros. Por exemplo:
O excesso de cobre (Cu) afeta a disponibilidade de ferro (Fe).
O ferro e o manganês (Mn) ou o zinco (Zn) e o ferro são antagônicos um do outro.
O fósforo (P) em alto teor induz a deficiência de zinco.
O potássio (K) e o cálcio (Ca) em altos teores diminuem a absorção de boro (B).
Cobre e zinco, o cobre diminui a absorção de zinco.
Todavia a aplicação de um nutriente aumenta, em geral, a utilização e absorção de outros. Por exemplo:
Nitrogênio (N) – favorece a absorção dos micronutrientes. Zinco com nitrogênio aumentarão as concentrações de zinco nas folhas novas.
Magnésio (Mg) – em altos níveis favorece a absorção de fósforo.
Fósforo (P) – em altos níveis favorece a absorção de molibdênio (Mo).
Isto tudo parece complicar o diagnóstico e correção de deficiências. Por isto, torna-se necessário as análises de solo e planta

Quando usar o adubo foliar
1 – correção de deficiências – é uma maneira rápida, eficaz e os adubos foliares podem ser empregados, praticamente, em todas as culturas. Quando é detectada a deficiência, lança-se mão da adubação foliar que permite corrigir de maneira rápida o nutriente ou nutrientes que estão em falta para a planta;
2 – complementação da adubação via solo – usando macros e micros, sendo uma parte no solo. Os macronutrientes são aplicados via solo enquanto os micronutrientes são via foliar. As aplicações foliares são feitas em diferentes estágios de desenvolvimento da planta.
Cultivos anuais: na fase de crescimento usa-se nitrogênio (N)+fósforo (P). Na floração, usa-se fósforo (P). Na frutificação, usa-se o potássio (K);
3 – suplementação no estágio reprodutivo – no final do ciclo da planta a atividade das raízes diminui e há uma translocação de nutrientes das folhas para os grãos e frutos. A suplementar pode ser realizada mesmo que a planta não acuse deficiências ou mesmo depois do nutriente aplicado ao solo.
Os adubos foliares devem ser compatíveis com defensivos e fertilizantes. Os quelatos oferecem uma maior estabilidade, reduzem os riscos de fitotoxidez e melhoram a absorção dos nutrientes pelas folhas. Não formam depósitos ou precipitados ou ambos no fundo das embalagens. Os foliares utilizados corretamente, juntamente com a adubação no solo, proporcionam consideráveis aumentos de produção das culturas. Isto assegura uma maior eficiência dos adubos que disponibilizam o nutriente de acordo com o estágio de desenvolvimento da cultura. Além disto, as perdas de nutrientes são minimizadas. Os fertilizantes, simples ou em misturas, não fornecem todos os nutrientes que as plantas precisam para o seu crescimento e produção. Os micronutrientes, apesar de serem exigidos em pequenas quantidades, são indispensáveis ao desenvolvimento da planta e consequentemente a sua produtividade. Quem quer altas produções, eles não podem faltar no planejamento da adubação.
A adubação foliar tem a finalidade de fornecer às plantas os nutrientes que ela necessita, prontamente disponíveis, para corrigir as deficiências, sendo uma complementação da adubação aplicada ao solo, visando assegurar o desenvolvimento das plantas e as maior produtividade. Na adubação foliar utiliza-se, principalmente, os micronutrientes necessários para um desenvolvimento e produção das plantas. Diz-se que os micronutrientes empregados via solo não têm uma eficácia igual quando aplicados via foliar. Outra vantagem da adubação foliar é a aplicação do nutriente na hora que a planta o necessita. A “Lei do Mínimo” de Liebig, explica muito bem isto. A produção da planta é em função do menor teor do nutriente disponível para ela. Se dos 13 elementos que necessita e que são essenciais para a planta, se o zinco (Zn) estiver limitante, a produção vai ser limitada pelo zinco. Podem os outros nutrientes terem grandes quantidades, mas se um deles for limitante, a produção será de acordo com a limitada pelo nutriente em menor quantidade. Corrigindo-se a deficiência, a produção aumenta até encontrar outro nutriente em quantidade limitante. O uso da adubação foliar começou no século passado.
Na Parte II, abordaremos mais sobre a Adubação Foliar, vantagens e benefícios, aplicações e incompatibilidade. Para visualizar a Parte II, clique no link abaixo:
Adubação Foliar - Parte II  (clique aqui)

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Necessidade de Gessagem - Parte II

Na Parte I da pulblicação "Necessidade de Gessagem", abordamos sobre o gesso agrícola, seus benefícios, quando aplicá-lo e fórmulas para calcular a necessidade de gessagem e quantidade de gesso.
Necessidade de gessagem - Parte I clique aqui

Quando aplicar

O bom é no período chuvoso, pois facilita que o gesso se dissolva e atinja as camadas abaixo dos primeiros 20 cm. É nestas camadas profundas que irá propiciar o maior desenvolvimento radicular, como no cafeeiro, e reduzir a toxidez do alumínio. Quando há necessidade de se aplicar o gesso a lanço ou incorporação de maneira imediata, pode-se lançar mão da irrigação.
No café, o gesso proporciona um aumento de produção de sacas de café beneficiado que compensa o custo de aquisição e de aplicação. São necessárias de 3 a 4 t/ha. O efeito residual do gesso é grande e na dosagem de 4 t/ha atinge até 10 anos. Mas o importante é observar que o gesso deve ser aplicado conforme o recomendado pela análise do solo. Alguns cafeicultores insistem em aplicar o gesso agrícola em altas dosagens sem fazer a análise do solo. Aqueles que aplicam o gesso sem levar em conta a recomendação podem obter aumentos de produções até um certo ponto. À medida que se aumenta a dosagem, os rendimentos vão aumentando, mas não de maneira proporcional, até um momento que eles não compensam os gastos com aquisição e aplicação do produto. Os rendimentos podem até diminuir. Isto é ocasionado pelo desequilíbrio de cátions no solo. Doses elevadas de gesso ocasionam perdas de potássio (K) e magnésio (Mg) por lixiviação.
Outras aplicações do gesso agrícola
O gesso agrícola pode ser usado em solos sódicos, pois o cálcio substitui o sódio (Na) no complexo de troca formando o sulfato de sódio que é lixiviado. O cálcio é mais fortemente retido pelo solo do que o sódio.
O gesso pode ser usado, também, no processo de compostagem para reduzir as perdas de nitrogênio (N).
Um solo arenoso, com baixa CTC e pequena capacidade de adsorver sulfato, a movimentação de bases seria maior que aquela para um solo argiloso com alta CTC e alta adsorção de sulfato. É neste tipo de solo, onde o potencial de movimentação de bases é elevado, que o produtor deve ter o cuidado com a quantidade de gesso aplicado para evitar uma movimentação além das camadas exploradas pelo sistema radicular. Uma amostragem de solo deve ser feita periodicamente para acompanhar a movimentação de bases para evitar uma drástica movimentação para camadas mais profundas longe da área das raízes.
O gesso é uma fonte de enxofre (S). O uso de fertilizantes concentrados é uma das causas para o aparecimento de deficiências de S. Na produção de fertilizantes concentrados, com altos teores de N, P e K, utilizam-se, basicamente, matérias-primas que possuem pouco ou nenhum S. Outra causa é o baixo consumo de fertilizantes simples, como os sulfatos de amônio e de potássio, os quais contêm alto teor de enxofre.
O aumento da produtividade das culturas extrai nutrientes do solo e que não são repostos na sua totalidade ou pelos cultivos sucessivos sem reposição do que foi exportado.
O manejo inadequado do solo ocasiona uma diminuição no teor de matéria orgânica. Os solos com bom teor de matéria orgânica apresentam bons índices de enxofre.
As leguminosas têm uma exigência de 40 kg/ha de S, enquanto as gramíneas pedem 15-30 kg/ha de S. As espécies das famílias das crucíferas são as mais exigentes chegando a 80 kg/ha de S.
Para corrigir as deficiências de S, são recomendados de 100 a 250 kg/ha de gesso agrícola.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

O Milho Bt

Os insetos atacam o milho tanto na lavoura como no depósito onde os grãos são armazenados. E, ao se alimentarem do milho, eles causam ferimentos que são uma porta aberta para os fungos que crescem no interior dos grãos, desde que as condições de temperatura e umidade sejam favoráveis. Estas infecções produzem um grande número de "esporos" que ao se liberarem irão infectar mais grãos. No seu crescimento, os fungos desenvolvem "micotoxinas" que destróem os tecidos vegetais. As micotoxinas causam danos ao sistema nervoso e respiratório dos animais que as consomem e podem causar a morte. As micotoxinas mais importantes são as fumonisinas no milho, as aflatoxinas no milho e no amendoim, os tricotecenos no trigo e as ocratoxinas no café.
O milho transgênico Bt produz uma proteína que é tóxica para determinados insetos. O milho Bt possui variedades que produzem diferentes toxinas que têm ação contra as lagartas das folhas e outras contra as larvas do besouro do caule. Estas lagartas produzem grandes perdas na agricultura o que obriga os produtores de milho a lançarem mão do uso de agrotóxicos. O milho Bt é uma alternativa para a redução ou eliminação do uso de inseticidas. Além da redução dos custos da lavoura há uma diminuição dos riscos à saúde humana. Apesar de ser tóxica, esta proteína é inócua para insetos que não se alimentam de milho, fungos, bactérias, animais e seres humanos. Ela exige condições específicas que são encontradas no aparelho digestivo de certos insetos, ou seja a presença de "receptores celulares". Estas toxinas são originadas de uma bactéria chamada Bacillus thuringiensis (Bt). Existem inseticidas naturais que contém esta bactéria. São usados com muita segurança.
Qual a diferença de uma planta Bt e de um inseticida Bt ?
A diferença é que na planta Bt o produto fica disponível apenas para os insetos que consomem a planta e no inseticida Bt outros insetos podem ser afetados. O inseticida Bt usa a "bactéria viva". Logo, a planta Bt, ou seja o uso do milho Bt é mais seguro que o inseticida natural.
Na produção de milho Bt são introduzidos genes de Bacillus thuringiensis que possui diversas famílias de genes que produzem toxinas. Uma destas famílias de genes é chamada "Cry" presente em um grande número de variedades de milho transgênico. Ela mata os insetos que consomem as folhas de milho.
O mais importante é que as características nutricionais de milho Bt e do convencional são equivalentes. O milho Bt vem sendo consumido em diversos países, por uma década, sem registro de ocorrência de problemas. Somente após rigorosas pesquisas é que uma variedade de milho Bt é liberada para o plantio e consumo humano.
O milho Bt-11 é geneticamente modificado, através da tecnologia de DNA recombinante, resistente a insetos e tolerante a herbicidas. O Bt-11 contém a proteína Cry1ab isolada da bactéria Bacillus thuringiensis e a proteína herbicida fosfinotricina acetil transferase isolada da bactéria Streptomyces virido chromogenes.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Necessidade de Gessagem - Parte I

Os solos brasileiros, em geral, apresentam baixos teores de cálcio (Ca) e altos teores de alumínio (Al) trocável. Isto ocorre, com ênfase, nas camadas mais profundas. Desta maneira, o desenvolvimento radicular é superficial e aí concentrado. Disto ocorre que as plantas sofrem com os veranicos e a absorção de nutrientes é limitada à área de desenvolvimento das raízes. Comparando plantas que tiveram um aporte de gesso na camada de 20-40cm e 30-60cm elas tiveram um desenvolvimento de raízes em área e em profundidade. Nas profundidades subsuperficiais a concentração de raízes chegou a 29% e nas camadas mais profundas, ainda, a concentração de raízes foi de 19 a 12%. Já as plantas que não tiveram um aporte de gesso agrícola, a concentração de raízes foi maior na camada de até 20 cm. Nas camadas mais profundas de 40-60 cm, a concentração de raízes chegou a 1%.
Benjamin Franklin foi um líder fazendeiro e tentou aumentar a produção e qualidade das plantas. Tornou-se muito conhecido, nesta área, por ter aplicado sulfato de cálcio (gesso) em uma colina perto de Filadélfia. Ele escreveu as palavras: “Esta terra foi corrigida com gesso”.
O gesso é um subproduto das indústrias de fertilizantes. Para a obtenção do ácido fosfórico, as rochas fosfatadas são atacadas pelo ácido sulfúrico e desta reação são obtidos o sulfato de cálcio (gesso) e o ácido fluorídrico. Tratando-se a rocha fosfatada com uma quantidade maior de ácido sulfúrico, obtém-se ácido fosfórico e sulfato de cálcio (gesso) sólido em suspensão. O sulfato de cálcio é separado por filtração, originando uma grande quantidade de gesso como subproduto. Por tonelada de ácido fosfórico produzida, obtém-se quase 5 (cinco) toneladas de gesso.
Como o cálcio é pouco móvel no solo e quase nenhuma mobilidade na planta, o efeito da calagem não se observa nas camadas mais profundas. Mas o nutriente cálcio é importante para a planta. No café, as raízes vão atrás do cálcio e nos locais que ele não existe não haverá crescimento das mesmas. Por outro lado, o alumínio (Al³+), que é tóxico para as plantas quando em altas concentrações, está presente nas camadas mais profundas onde o calcário não consegue atingi-las. Desta maneira, altos teores de alumínio e baixos teores de cálcio nas camadas mais profundas não favorecem o desenvolvimento radicular e, assim, as raízes não conseguem buscar água e nutrientes.
O gesso agrícola, sulfato de cálcio, contém cálcio e enxofre (S). Contém 32% de CaO e até 19% de S. Ele se dissocia em Ca²+ e SO4²-. Mas o gesso não é um corretivo para neutralizar a acidez do solo. Tão pouco tem a capacidade de elevar a “Capacidade de Troca de Cátions – CTC”. Ele é um condicionador do solo.
Os benefícios do gesso agrícola são vários.
Entre eles:
1) o ânion SO4²- imprime uma maior mobilidade ao cálcio levando-o para as camadas mais profundas;
2) por sua vez, o íon sulfato se liga ao alumínio formando um sal, o sulfato de alumínio (AlSO4) , que é menos tóxico para a planta;
3) fornece cálcio e enxofre para as plantas.

Quando aplicar o gesso agrícola
O gesso deve ser aplicado quando, no mínimo, uma destas condições seja satisfeita:
a) teor de cálcio (Ca) menor ou igual a 0,4 cmolc/dm³ ou 4 mmolc/dm³. Para transformar cmolc em mmolc basta multiplicar por 10;
b) teor de alumínio (Al) maior que 0,5 cmolc/dm³ ou 5 mmolc/dm³;
c) saturação por alumínio (m%) maior que 30%. Alguns citam 20%.
O produtor agrícola pensando em aplicar gesso deve providenciar na análise do solo. Neste caso, a amostragem deve ser feita na profundidade de 20-40 cm ou 30-60 cm e não na de 0-20 cm como é feita normalmente. Lembre-se que para aplicar gesso, os resultados da análise devem ser de amostras retiradas das camadas mais profundas. Quando coletar amostras das camadas de 0-20, 20-40, 30-60 cm é preciso cuidar para não misturá-las. As amostras devem ser independentes de cada camada. Para isto, é bom ter o cuidado de não misturá-las e proceder à identificação de cada camada. Em geral, a profundidade mais usada é a camada de 20-40 cm.

Como calcular a quantidade de gesso agrícola
Existem várias fórmulas apresentadas pelos pesquisadores para calcular a necessidade de gesso. Vamos apresentá-las a seguir.

1) Necessidade de gessagem e quantidade de gesso:
MARTINS, André G. professor da UFV-MG estabelece a seguinte fórmula:
NG (kg/ha) = 0,30 x Necessidade de calcário recomendada para o solo.
IMPORTANTE: a necessidade de calcário é aquela recomendada para a camada de 20-40 cm onde vai ser aplicado o gesso. Esta fórmula tem apenas a importância de calcular a necessidade de gessagem (NG) e não a quantidade de gesso a ser aplicada no solo. Esta última vai ser definida pela fórmula abaixo:
QG (t/ha) = NG x (SC/100) x (PF/20), onde,
QG = quantidade de gesso em t/ha.
NG = necessidade de gessagem em t/ha calculada na fórmula anterior.
SC = superfície coberta pelo gesso (%). Para área total, utiliza-se SC=100% e para aplicação no café em faixas, SC=75%.
PF = espessura da camada onde o gesso deverá agir, em cm. Para camada de 20-40, PF = 20 cm. Para camada de 30-60 cm, PF=30 cm.
O gesso deve ser aplicado após o calcário. O calcário na camada de 0-20 cm e o gesso na camada de 20-40 cm ou 30-60 cm.
O gesso pode ser aplicado em cobertura, pois é muito móvel. Se a camada de 0-20 cm não exige calcário, pode-se aplicar o gesso em cobertura. Não há necessidade de incorporação do gesso. Uma corrente de pesquisadores recomenda aplicar calcário e gesso juntos. Outra corrente não aconselha.

2) Outra fórmula usada no café, leva em consideração o teor de argila das camadas inferiores do solo.NG (kg/ha) = 75 x argila (%), segundo Souza et al (1997). O gesso deve apresentar, no mínimo, 15% de enxofre (S).
3) Outras fórmulas utilizadas são:
Para culturas anuais – DG (kg/ha) = 50 x teor de argila (%) ou DG (kg/ha) = 5,0 x argila (g/kg)
Para culturas perenes – DG (kg/ha) = 75 x argila (%) ou DG (kg/ha) = 7,5 x argila (g/kg)

4) Vitti e Mazza (1998) apresentam a seguinte tabela para quantidade aproximada de gesso levando em consideração os valores T e V do solo.

Para visualizar o artigo "Necessidade de Gessagem - Parte II" ( clique aqui)

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

As perdas de óxido nitroso para a atmosfera

A aplicação de fertilizantes nitrogenados, o nitrogênio dos resíduos de animais, a fixação biológica em maior escala devido o aumento da área cultivada com leguminosas, têm contribuído para o aumento na emissão de N2O- na atmosfera. Estas emissões são devidas à desnitrificação cujo processo é NO3- >NO2- >2NO- > N2O- >N2. As formas 2NO- > N2O- >N2O- >N2. são formas gasosas perdidas para atmosfera. Em 1989, dados da FAO, com metodologia do IPCC, apontavam as emissões diretas de N2O- a partir de solos agrícolas estimadas em 2,5 Tg N, as emissões de animais de pastoreio em 1,6 Tg N, e as emissões indiretas em 1,9 Tg N - N2O-.
Tg N = teragrama de N = 10¹² g de N
A agricultura tem sido responsável pelas perdas de carbono do solo. Contribui para isto os processos de erosão e compactação do solo motivado pela aração excessiva, gradagem, desmatamento e consequente redução dos teores de matéria orgânica. A maneira de repor as perdas de carbono seria através do reflorestamento, fruticultura, cultivos de seringueira, castanhas, cacau, pastagem com melhor manejo, conservação do solo e melhor uso de fertilizantes químicos e adubações orgânicas. As emissões de N2O- na atmosfera chega a ser 10 vezes mais na cultura do milho do que na cultura do feijão. A uréia apresenta as mais elevadas emissões de N2O para a atmosfera em relação ao sulfato de amônio que são menores. As maiores emissões foram encontradas logo após a aplicação dos fertilizantes. Estudos mostraram que isto dura até três dias.
O nitrogênio na forma nítrica é perdido mais rapidamente pela desnitrificação do que o N amoniacal. A forma amoniacal tem que ser hidrolisada e a amônia formada é nitrificada e depois desnitrificada. A irrigação do solo, logo após a aplicação da uréia, pode aprofundar a mesma e reduzir as perdas por volatilização da amônia. Mas lixiviaria a parte nítrica adicionada. O sulfato de amônio, pelas suas características ácidas, foi o fertilizante que apresentou menos emissões de N2O- para o ar.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Hortaliças - Cálculo da adubação recomendada

As hortaliças são exigentes em nutrientes os quais devem estar disponíveis no solo. São plantas que esgotam o solo pois toda ela é colhida por inteiro. As adubações nitrogenadas contribuem para reacidificar o solo. Por isto, torna-se necessário um controle desta acidez através de análises de solos mais frequentes. A reaplicação do calcário é indispensável quando o pH do solo for menor que 6,0 e/ou V% menor que 80. A preferência deve ser para um calcário dolomítico que contém cálcio (Ca) e magnésio (Mg) e incorporado na profundidade de 20 cm de solo. A adubação pode ser feita em toda a área ou em sulcos. Para calcular a quantidade de adubo utiliza-se fórmulas conforme abaixo:

Cálculo da quantidade em g/m²: as recomendações de adubos são feitas em kg/ha. Para transformar em g/m² basta dividir a dose recomendada por 10.
Exemplo: 600 kg/ha de adubo 8-24-12 ; 600/10 = 60 g/m²
200 kg/ha de P2O5 = 200/10 = 20 g/m²
150 kg/ha de K2O = 150/10 = 15 g/m²

Cálculo para o plantio em camalhões: a adubação é feita em sulcos antes da confecção dos camalhões. Neste caso, transforma-se a recomendação de kg/ha para g/m linear de sulco. A fórmula é a seguinte:
g/m linear de sulco = (kg/ha*e) / 10
e
= espaçamento entre camalhões, em metro
Exemplo: 600 kg/ha de 8-24-12; espaçamento (e) entre sulcos: 0,80 metro
g/m linear de sulco = (600 x 0,80) / 10 = 4,8 g/m linear.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

A importância de conhecer a CTC do Solo

O solo é constituído de três fases: sólida, líquida e gasosa. A sólida é formada pelas partículas originadas da decomposição de rochas; a líquida seria a água, a solução do solo; a gasosa seria o gás carbônico (CO2) e o oxigênio (O). Os solos foram formados pela ação do vento, chuva, calor, frio, geada que decomporam as rochas (intemperismo). O material resultante desta decomposição sofre interações químicas que resultaram em minerais, ou seja, os nutrientes, cujos íons estão na solução do solo. Óxidos de ferro e de alumínio reagiram com a sílica formando as argilas 2:1 e 1:1. Esta relação expressa sílica:alumínio. As argilas 2:1, são características dos solos temperados enquanto as 1:1, dos solos tropicais. Houve, ainda, formação de silte e areia. O perfil de um solo é formado de horizontes e/ou camadas de diferentes cores de acordo com a presença de ferro hidratado, teores de cálcio, óxido de silício e de matéria orgânica. Em comparação aos solos temperados, os solos tropicais são mais quentes, maior teor de alumínio do que de sílica e capacidade de troca de cátions (CTC) baixa. A decomposição da matéria orgânica é mais rápida. A absorção de água, pelas plantas, é maior. Em solos ácidos e arenosos há maior lixiviação de cátions, principalmente pela CTC e matéria orgânica baixas.
Os cátions estão retidos nos coloides do solo. Eles podem ser substituídos por outros cátions. A fórmula de cálculo refere-se à soma dos íons positivos (cátions) como cálcio (Ca), magnésio (Mg), potássio (K) e sódio (Na) mais os íons hidrogênio (H) e alumínio (Al). Estas cargas positivas são adsorvidas pelas argilas em troca com as cargas elétricas negativas. Portanto, a CTC refere-se à quantidade de cargas negativas. A soma destas cargas elétricas negativas é representada pela CTC e nelas estão ligadas eletricamente os íons de cargas positivas. Lembre-se que os íons de carga elétrica semelhante se repelem e os de carga elétrica diferente se atraem.
Os solos são formados de partículas de argila e matéria orgânica que são os coloides. Estes apresentam cargas negativas predominantemente, se bem que podem apresentar cargas positivas. Por isto é que as partículas atraem os cátions adsorvendo-os na sua superfície. Isto é muito bom porque ao serem adsorvidos pelos coloides, os íons não são tão facilmente carregados pelas águas das chuvas. A planta absorve a água do solo e com ela o nutriente que estava adsorvido. E isto faz com que os coloides, ao perderem íons, atraem novos, estabelecendo-se a troca. A capacidade de um solo trocar seus íons é chamada capacidade de troca catiônica, quando são cátions, e capacidade de troca aniônica, quando são ânions. Conhecer a CTC de um solo é muito importante para elevar a produtividade.
Solos com argila de baixa reatividade, baixo teor de matéria orgânica e baixa CTC não retém cátions. Já solos com argila de alta reatividade apresentam CTC alta e podem reter grandes quantidades de cátions. Solos arenosos apresentam baixo teor de matéria orgânica e baixa CTC e são mais suscetíveis às perdas de nutrientes por lixiviação. Estas características são importantes para definir as doses e épocas de aplicação dos fertilizantes para aumentar a eficiência do adubo.
"O que o solo não pode reter de nutrientes será lixiviado".Origem das cargas negativas:A origem das cargas elétricas negativas podem ser explicadas pelos seguintes aspectos:
1. Rompimento do cristal de argila:Quando isto acontece os grupos (OH)‾ podem ficar expostos e o H+, levemente retido nestes radicais OH, é facilmente trocado por outro cátion.
2. Substituição isomórfica:
Nas argilas tipo 2:1 (as montmorolonitas) alguns Al³+ são substituídos por Mg²+. Resulta, então, uma valência livre de carga elétrica negativa que não sofreu substituição pois o Al é trivalente enquanto o Mg é divalente.
As cargas geradas são permanentes pois não dependem do pH do solo para ocorrerem.
3. Dissociação do grupo OH:Na argila ou na matéria orgânica, a presença de OH nos cristais pode ocasionar a dissociação do H+ havendo formação de uma carga elétrica negativa.
Elevação do pH
Origem das cargas positivas:As cargas positivas, como já vimos, são em número menor que as cargas negativas. A presença de matéria orgânica, que é formada por cargas negativas e dependentes do pH do solo, mantém uma quantidade de cargas negativas na superfície do solo mesmo que exista um grande teor de cargas elétricas positivas. Mas, em certos solos, pode-se encontrar nas camadas superficiais uma predominância de cargas elétricas positivas. Nestes solos, os compostos formados de óxidos e hidróxidos de ferro e alumínio sob condições de pH baixo, verifica-se a "protonação" com a ocorrência de cargas elétricas positivas.

RECOMENDO LER OS ARTIGOS ABAIXO

CTC's efetiva e potencial do solo
Cátions trocáveis e CTC's na análise do solo
Quanto adicionar de K para saturar a CTC do solo
Argilas e níveis de CTC no solo