terça-feira, 3 de julho de 2012

Percentagem de Saturação por Bases (V%) na Análise do Solo

Interpretação da Análise do Solo (5)



Em postagens anteriores, abordamos assuntos relacionados ao PH do solo, argila e matéria orgânica, Cátions básicos e CTC's, Acidez trocável, acidez não trocável e percentagem de saturação por alumínio. Estamos aptos a entrar num novo assunto, ou seja, percentagem de saturação por bases (V%), muito utilizada, em alguns Estados, para cálculo da necessidade de calagem. O conhecimento da percentagem de saturação
por bases é muito importante para conhecer o nível de fertilidade do solo. Um solo que apresenta baixo V% significa que existe uma maior adsorção de Al³+ e H+ e quantidades menores dos cátions básicos Ca²+, Mg²+ e K+, adsorvidos nos coloides do solo. O Al³+ tóxico poderá aparecer nos solos ácidos comprometendo o desenvolvimento radicular das plantas e menor absorção de água e nutrientes. O V% indica quanto por cento dos pontos de troca de cátions, nos coloides, estão ocupados por bases, ou, em outras palavras, quanto por cento das cargas negativas estão ocupadas por Ca²+, Mg²+ e K+, em relação aos pontos de troca dos cátions ácidos H+ e Al³+. Assim sendo, conhecendo-se o valor do V%, podemos determinar a percentagem de saturação por ácidos (M %). Se um solo tem um valor V = 35%, significa que 65% está ocupado por H+ e Al³+. Por quê?
Utilizando a fórmula: M (%) = 100 - V%.
M = 100 - 35 = 65%
Elevando o V% da CTC a pH7.0 é a mesma coisa que elevar o pH do solo. Com isto há diminuição da saturação por Al³+ e geração de mais pontos de troca de cátions dependentes de pH.
Para calcular a percentagem de saturação por cátions precisamos saber os valores da soma de bases (SB ou S) e a Capacidade de Troca de Cátions a pH7.0 (T). Estes dois valores devem estar expressos em cmolc/dm³ ou em mmolc/dm³. Não pode haver mistura das duas unidades. A fórmula para calcular o V% é a seguinte:

V (%) = (SB x 100) / T

Costuma-se dizer que o solo que apresentar a percentagem de saturação por bases (V%) maior que 50% é considerado um solo fértil. Solos com V menor que 50% seriam chamados de solos não férteis ou de baixa fertilidade. Os solos com V maior que 50% seriam chamados de "eutróficos" ou férteis. São solos ricos em nutrientes, especialmente Ca. A CTC destes solos armazena mais da metade dos cátions básicos.
Os solos com V% menor que 50% seriam os solos "distróficos" ou pouco férteis. Os solos distróficos podem apresentar pobreza de bases trocáveis (Ca) e um alto teor de Al³+ trocável ou uma percentagem de saturação por Al³+ (m%) maior que 50%, o que os caracterizariam como solos "álicos" ou muito pobres, ou seja, Al³+ trocável igual ou maior que 0,3 cmolc/dm³ (igual a 30 mmolc/dm³) e m% igual ou maior que 50%.
Um V% baixo significa que as cargas negativas dos coloides do solo estão adsorvendo mais H+ e Al³+ e pequena quantidade de cátions trocáveis (K+, Ca²+, Mg²+). Nestas condições, o solo será ácido e poderá conter Al³+ em nível de toxidez para a planta.
No Quadro 1, que estamos usando para disponibilizar informações para interpretação da análise do solo, vamos lançar mão dos dados de soma de bases e CTC a pH7.0 para calcular a percentagem de saturação por bases (V%) nas amostras 1, 2 e 3. Como eles já foram calculados, conforme explicado no artigo "Cátions Trocáveis e CTC's na Análise do Solo", para visualizar clique aqui:


AMOSTRA 1:
V (%) = (8,28 x 100) / 13,28
V (%) = 828 / 13,28
V = 62,35%
Este solo caracteriza-se como fértil, pois o V% é maior que 50%. Comprova a sua riqueza em nutrientes cálcio e magnésio, pois o teor de cálcio, na análise do solo (quadro 1), é de 6,0 cmolc/dm³ e 2,20 cmolc/dm³ de magnésio. Portanto, 99% da CTC a pH7.0 é ocupada por estes cátions básicos. A necessidade de calagem deve ser muito pequena, apenas para elevar a saturação de cátions. É considerado um solo eutrófico.
Pela Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais (CFSEMG), Quadro 2,  este valor V = 62,35% será enquadrado como "bom". Pelo Quadro 3, Seminário de Fertilidade do Solo, (Manaus, 1982), estará classificado como "médio". No RS/SC (Quadro 4) a faixa de interpretação deste V = 62,35% será "baixo".

AMOSTRA 2:
V (%) = (1,68 x 100) / 5,39
V (%) = 168 / 5,39
V = 31,16%
Este solo está dentro do que se chama solo pouco fértil, pois o V% é menor que 50%. A soma de Ca + Mg é de 1,67 cmolc/dm³, o que corresponde a 31,0% da CTC a pH7.0. O restante, 69,0% é preenchido pelos cátions ácidos, principalmente o H+ (66,97%). É um solo com teores baixos de cálcio, magnésio e potássio. O Al³+ ocupa 1,85% da CTC não constituindo um problema de toxidez, pois a percentagem de saturação por alumínio é baixa, ou seja, m = 5,62%.  É um solo distrófico.
Pela CFSEMG, este valor V = 31,16% será enquadrado como "médio". Pelo Seminário de Fertilidade do Solo, (Manaus, 1982), este V = 31,16% estará classificado como "baixo". No RS/SC (Quadro 4) a classificação será "muito baixo".

AMOSTRA 3:
V (%) = (0,89 x 100) / 8,59
V (%) = 89 / 8,59
V = 10,36%
É um solo com pobreza de bases trocáveis (Ca²+ + Mg²+) e com teor muito alto de Al³+ trocável. É um solo "álico" pois possui 2,0 cmolc/dm³ de Al³+ e percentagem de saturação por alumínio (m) maior que 50%. A pobreza de bases é comprovada pela muito baixa participação na CTC a pH7.0, ou seja, 10,36%. O restante, 89,64% são ocupados pelo H+ e Al³+, principalmente o H+ (acidez não trocável) que ocupa 66,35% desta CTC do solo. A calagem é uma prática fundamental e necessária para melhoria da fertilidade do solo, adicionando Ca e Mg e a adubação corretiva com K torna-se indispensável. A calagem, além de adicionar Ca e Mg, vai neutralizar a acidez trocável e a acidez não trocável (H+), gerando cargas negativas não dissociadas.
Pela CFSEMG, este valor V = 10,36% será enquadrado como "muito baixo". Pelo Seminário de Fertilidade do Solo, (Manaus, 1982), este V% estará classificado como "baixo". Nos Estados do RS e SC, o V% será classificado na faixa "muito baixo"
Veja que existe uma diferença de interpretação das faixas de valores V% entre as três tabelas. Por isto que enfatizo sempre a necessidade do técnico ter em mãos as tabelas de recomendação de calagem e de adubação do seu Estado, da sua região.

LEIA: Artigos da Série Interpretação da Análise de Solo
O pH na análise do solo - Interpretação da análise do solo (1)
Argila e matéria orgânica na analise do solo - Interpretação da análise do solo (2)
Cátions trocáveis e as CTC's na análise do solo - Interpretação da análise do solo (3)
Cátions ácidos e saturação por alumínio na análise do solo - Interpretação da análise do solo (4)

REFERÊNCIAS

ALVAREZ V, V.H.; RIBEIRO, A.C.; GUIMARÃES, P.T.G. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais - 5a. aproximação. 1999. Viçosa, Minas Gerais. Disponível em:<http://pt.scribd.com/doc/58701933/5%C2%AA-Aproximacao-Manual-de-Adubacoes-PDF> Acesso em: 13 de jun. 2012.

CARVALHO, J. C. R.; SOUSA, C. S.; SOUSA, C. S. Fertilização e fertilizantes. 2005. Cruz das Almas, Bahia. Universidade Federal da Bahia. Escola de Agronomia. Depto de Química Agrícola e Solos. Disponível em:<http://www.ufrb.edu.br/nutricaomineral/nmp_pg_09/Apostila%20fertilizantes%20e%20fertiliza%E7%E3o.pdf"> Acesso em: 13 de Jun. 2012.

LOPES, A.S.; GUILHERME, L.R.G. Interpretação da Análise do Solo - Conceitos e aplicações. ANDA, São Paulo. Ed. atual. 2004. 51p. Boletim Técnico No 2.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO - RS/SC. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10ª ed. Porto Alegre, 2004. 400p.  

12 comentários:

  1. Boa tarde, muito interessante o seu blog. Cheguei nele através do google, estava procurando a respeito do Cultivo minimo. Não sei muito sobre ele, mas o blog respondeu minhas dúvidas. Vlw!!

    ResponderExcluir
  2. boaaa velho! me ajudou muito! obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Texto excelente, bem explicado, me ajudou muito obrigada!!

    ResponderExcluir
  4. Esse blog é fantástico! Contribui muito em minhas leituras!

    ResponderExcluir
  5. Melhor Blog! ta me ajudando muito no meu tcc.

    ResponderExcluir
  6. Prof. qual o problema de eu ter solos com V% maior do que o recomendado pela cultura ?
    Qual o problema de se ter solos com V% entre 88 - 100 % ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é um problema. Significa um bom teor de cátions básicos. Se as culturas exigem um V2% manor que 88%, você não precisa fazer a calagem.

      Excluir
    2. Então na minha analise de solo onde eu encontrei áreas com v% em 88% nao terei problemas ?
      Pode-se dizer que quanto maior v% melhor é o meu solo ?

      Excluir
    3. Releia a sua pergunta anterior. Você perguntou se ter solos com V2% maior que aquele V1% que a cultura exige é um problema.
      Eu não lhe disse que você não vai ter problemas nestas áreas. O que eu disse é que não haverá necessidade de calagem. Agora, se você não preparar bem o solo, não usar boa semente, não fazer a adubação correta, não combater pragas e doenças, etc.. aí sim você vai ter problemas nestas áreas.
      A partir de V=50%, os solos são considerados férteis. Agora, quanto de P tem estas áreas? de MO%? Em que faixa se enquadra o P e o K segundo o manual de recomendação de calagem e adubação para o seu Estado? Faixas de muito baixo, baixo, médio e alto.

      Excluir
  7. Respostas
    1. Realmente deve haver um erro.
      V = SB/T x 100
      Vem a ser a percentagem de bases que ocupa a CTC do solo a pH 7.
      Veja se os elementos Ca, Mg, K, (Na) estão expressos na mesma unidade ou cmolc ou mmolc.
      As vezes K está expresso em mg/dm³ e é necessário converter em cmolc ou mmolc
      No cálculo da CTC a pH 7 os elementos Al e H ou (H+Al) devem estar expressos na mesma unidade.
      No cálculo não pode haver elementos expressos em cmolc, mmolc e mg/dm³. Todos devem estar expressos na mesma unidade.

      Excluir

Comente, manisfeste a sua experiência, a sua dúvida, utilizando a parte de comentários.