quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

A Escolha dos Silicatos de Cálcio e Magnésio para Agricultura

Os silicatos de cálcio e magnésio são a forma utilizada no fornecimento de silício às plantas. Na postagem anterior, sobre o silício, apresentamos todos os benefícios deste micronutriente para as plantas. Os silicatos devem apresentar uma série de características, quando a finalidade é para uso agrícola: alta concentração de silício solúvel; facilidade de aplicação no solo através da maquinaria existente na propriedade rural; bom aspecto físico; bons teores de cálcio e de magnésio; baixa concentração de metais pesados; preço compatível de modo que não onere demasiadamente os custos de produção.
No solo, a aplicação de silicatos faz com que o pH aumente; o alumínio (Al³+) diminua; o valor V%, referente a percentagem de saturação por bases, aumente; e a percentagem de saturação por alumínio (m%) diminua. Os silicatos promovem a reação do ânion SiO3²- com o a água (H2O), liberando (OH+) para a solução do solo.
Quanto maior a dose de silicato aplicado, maior o pH do solo. Os silicatos podem ser aplicados, via solo, na forma pó ou granulada (sólida); ou via foliar (líquida). A forma pó é utilizada em grandes áreas; a forma granulada é mais empregada em mistura com os fertilizantes NPK.
Os silicatos são obtidos pela reação da sílica (SiO2), presente nos minerais de ferro, com o calcário à temperaturas de 1.400 °C; são utilizados os calcários calcítico, magnesiano ou dolomítico. São as escórias da siderurgia do ferro e do aço.

O material, proveniente da fusão, é resfriado na água ou ao ar; depois é secado e moído. Para cada quatro toneladas produzidas de ferro-guza é gerada uma tonelada de escória de alto-forno.
A solubilidade do silício, nos diversos produtos, é bastante variável: as escórias de alto-forno apresentam maiores teores de silício e  baixa solubilidade; as escórias de aciárias possuem menores teores, mas são de maior solubilidade. As escórias oriundas da produção de aço inox são as que apresentam o silício com maior solubilidade. Os silicatos devem apresentar condições para fornecerem silício solúvel às plantas e corrigirem a acidez do solo. Quanto mais fino o produto, maior será a solubilidade.
Devido à granulometria fina das escórias, há uma maior reatividade no solo: tanto nos solos arenosos como nos argilosos. As escórias com partículas menores que 0,3 mm são as mais eficientes no fornecimento de cálcio e magnésio para o solo; as mais grosseiras - maiores que 2 mm - são as menos eficientes. Os silicatos não fornecem apenas Si, mas fornecem calcio, magnésio, cobre, ferro e manganês.
Entretanto, encontram-se fontes de silício pouco solúveis; sua aplicação deve ser feita com antecedência como ocorre com o calcário. Alguns pesquisadores demonstraram, quando compararam escórias (silicatos de cálcio) com o calcário, que a reação, no solo, foi mais lenta no caso das escórias; provavelmente devido à presença de alumino-silicatos que são de difícil dissolução no solo. A aplicação dos silicatos vai depender da solubilidade do produto. No arroz é recomendado aplicá-los com antecedência ou durante a semeadura. A quantidade varia de 4 a 6 t/ha. No caso de utilizar escórias mais finas, de difícil aplicação, esta quantidade pode ser reduzida.
Na escolha do silicato deve-se considerar o PRNT e a distância da propriedade à siderurgia, para não avultar os custos da lavoura.
Experimentos conduzidos pela Embrapa Arroz e Feijão, a aplicação de silicato de cálcio, em lavouras de arroz, reduziu o número de grãos vazios e houve aumento significativo na produtividade da cultura; além disto, houve aumento de grãos cheios por panícula, aumento do pH e dos teores de Ca e Mg trocáveis. A conclusão que chegaram é que isto se deve a uma melhora das condições químicas do solo pela ação corretiva da acidez, criando condições favoráveis para o desenvolvimento das plantas. O efeito prejudicial da adubação nitrogenada na "mancha dos grãos de arroz" reduziu com a aplicação de silicato de cálcio. Há uma diminuição do ataque da bruzone e um aumento na produção do arroz.
Nolla, Antonio, estudando a aplicação de silicato de cálcio, em solo cultivado com soja, notou uma redução significativa da cercosporiose aos 46, 66 e 79 dias após a emergência. A aplicação de calcário foi menos eficiente que o silicato no controle da cercosporiose em todas as épocas avaliadas.
Barbosa, Newton C. et al, utilizando silicato de cálcio e magnésio na cultura do sorgo, em solos dos Cerrados, não observaram diferenças significativas entre a aplicação no sulco ou em toda a área; houve um aumento do teor de silício nos grãos, colmos e folhas em relação à testemunha sem silício. A maior concentração verificou-se nas folhas (7,0 mg/kg). À medida que se aumentava a dose de silicato, aumentava os teores de silício, tanto no sulco como na área total.
Segundo Korndörfer, as gramíneas são grandes acumuladoras de silício, e a absorção crescente demonstra a deficiência deste nutriente nos solos de Cerrados.
Ramos et al. observaram o carregamento do silício para as camadas mais profundas, independente da fonte aplicada.
O mesmo Korndörfer et al. pesquisando a aplicação de silício na cana-de-açúcar, na Usina Catanduva (Fazenda Estrela) chegaram à conclusão que o silicato de cálcio se mostra superior ao calcário na produção da cana, provavelmente devido à presença do silício.
Vilela Leite, Gustavo et al. estudando os efeitos das doses de silicato de cálcio na produção de cana-de-açúcar, no município de Perdões-MG, concluíram que não houve diferenças significativas na produção de cana (colmos e açúcar total recuperável, bem como os teores de Brix, pol e pureza %) independente das fontes e doses de silicato de cálcio aplicadas no sulco de plantio; entretanto houve um aumento no teor de fibra (%).
Assunto Relacionado:
Os Benefícios do Silício para as Plantas

7 comentários:

  1. O Silicato de Cálcio e Magnésio que eu comprei veio com essa composição:

    SiO2 58,71 %
    CaO 21,92 %
    MgO 15,40 %
    Al2O3 2,12 %
    Fe2O3 0,75 %
    TiO2 0,03 %
    Na2O 0,42 %
    K2O 0,26 %

    Quero saber se da para usar nas minhas plantas normalmente?
    Desde já obrigado;
    Atenciosamente Aron.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O produto sendo registrado no Ministério da Agricultura deve garantir estes teores. Se é um produto nestas condições sem problemas o seu uso, desde que você atente para os teores nos cálculos que fizer para correção ou adubação.

      Excluir
    2. Professor Gastão poderia indicar alguma empresa que comercializa o produto. Obrigado

      Excluir
  2. Aron Canonici
    Quanto Pagou?
    Qual o Preço da Tonelada?

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Boa Noite Diogo Guadagnin, a postagem é antiga, mas vi que gerou interesse da sua parte quanto ao Silicato

      Trabalho com esse Produto na Região do MS, mas temos representantes no Pais todo.

      entre em contato conosco da TALISMAN AGRONEGÓCIOS. Nosso Silicato vem de Minas Gerais, e é de escoria de aciaria.

      contato: 67 9677 3276
      email; elton.cezar91@hotmail.com

      Excluir

Comente, manisfeste a sua experiência, a sua dúvida, utilizando a parte de comentários.