quinta-feira, 31 de maio de 2012

Adubação Nitrogenada do Milho em Função da Palhada e do Solo

Quando se incorpora resíduos de culturas está se adicionando nutrientes no solo. No solos, a matéria orgânica é uma fonte de nitrogênio (N). Quando se incorpora resíduos do milho, em média, aproveita-se 30% do total de N da palhada para a cultura seguinte. Estima-se que para cada 1% de matéria orgânica do solo há uma disponibilidade de 20 kg/ha de N. A necessidade de nutrientes de uma planta menos a quantidade de nutrientes fornecida pelo solo nos dá o
cálculo da adubação. Neste cálculo, devemos levar em conta o índice de eficiência do adubo nitrogenado. No caso de gramíneas, como o milho, a relação C/N dos resíduos é muito alta, os nutrientes estão em menor quantidade na forma mineral, a decomposição é mais lenta no solo e liberam menores quantidades de nutrientes. Porém, os resíduos favorecem o acúmulo de matéria orgânica no solo que libera N. Estima-se que a palhada disponibiliza 30% do N total.
Um produtor vai plantar milho, em sucessão à uma lavoura de milho, e incorporou no solo os resíduos vegetais da cultura anterior. Portanto, ele contará com N fornecido pelos restos vegetais do milho antecedente e com N da matéria orgânica do solo, cujo teor é de 2,5%.
Estima-se que cada 1% de matéria orgânica do solo disponibiliza 20 kg/ha de N. A quantidade de N acumulada na parte aérea do milho é, em média, 1,8% nos grãos e 1,2% na palhada. A eficiência da adubação nitrogenada com uréia é de 50%. Dependendo do tipo de solo, fertilidade, precipitação pluviométrica favorável, manejo do solo, esta eficiência pode ser de até 70%.
A expectativa do produtor é uma produção de 6.000 kg/ha de grãos e uma produção de palhada de 4.000 kg/ha. Vamos realizar os cálculos para conhecer a necessidade de reposição de N através de uma adubação nitrogenada com uréia.
1. Necessidade de N pela cultura do milho

Grãos:
6.000 kg/ha x 1,8 % de N = 108 kg/ha N
Obs: em cultivos com boa fertilidade do solo, clima favorável, variedades de alto potencial, eventual irrigação, etc, a produção de grãos pode passar de 8.000 kg/ha. A neutralização da acidez do solo e a reposição dos nutrientes essenciais à planta é fundamental para obter altas produtividades.
Palhada:
4.000 kg/ha x 1,2% de N = 48 kg/ha N

Total grãos + palhada = 156 kg/ha N 
Isto reflete a necessidade da cultura do milho para produzir 6.000 kg/ha.

2. Nitrogênio fornecido pela matéria orgânica do solo e pela palhada:

2,5 % matéria orgânica: (cada 1% disponibiliza 20 kg/ha N)
N = 2,5 x 20 = 50 kg/ha N

Resíduo vegetal: (30% do N disponibilizado pela palhada)
N = 48 x 30% = 14 kg/ha N

Total MO + palhada = 64 kg/ha N fornecidos pelo solo.

Reposição de N:
Necessidade da cultura em N menos a quantidade de N fornecida pelo solo.
N = ( 156 - 64) = 92 kg/ha N

Como a eficiência da adubação nitrogenada foi estimada em 50%, no caso da uréia, teremos:
92 kg/ha N ............ 50 % eficiência
X kg/ha N ............. 100 % de eficiência
X = (100 x 92) / 50
X = 9200 / 50
X = 184 kg/ha N

No caso de aplicar uréia (45% N), a quantidade para fornecer os 184 kg/ha N será:
100 kg de uréia..............45 kg de N
X kg/ha de uréia............184 kg/ha de N
X = (184 x 100) / 45
X = 18400 / 45
X = 400 kg/ha de uréia (arredondando)

7 comentários:

  1. Quer uma maneira de aumentar a divulgação do seu site?
    Acesse o DivulgaBlog. É completamente gratuito, simples de usar e em poucos minutos o seu blog estará cadastrado na nossa base de blogs e visível para milhares de usuários.
    Dê uma conferida ! http://www.divulgablog.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Gastão, tenho uma dúvida: em relação a eficiência dos fertilizantes, sejam eles nitrogenados ou fosfatados como procedo o calculo correto. Por Exemplo:
    em um pH em torno de 5,5 terei uma eficiência na assimilação do fosforo em torno de 40% (dados embrapa, então... utilizando super simples (20% de P2O5)terei as seguintes situações:
    Minha dúvida é na regra, segue abaixo as duas situações.
    70 kg/ha de P2O5 (na linha, baseada na expectativa de produção de uma dada cultura - apenas para exemplificar)

    70kg/ha de P2O5-----100%
    X--------- 40%
    X = 28
    então 28 + 70= 98, arredondando 100kg/ha de P2O5 (contando com a eficienência de 40% em pH 5,5)

    ou
    70 kg/ha de P2O5 ------40%
    X -------100%
    X = 175 kg/ha de P2O5
    Tenho a impressão que essa segunda conta fica um pouco exagerada, mas fica minha dúvida.

    no caso a embrapa tb cita a eficiência do N em função do pH eu poderia estar utlizando a mesma metodologia acima?

    Muito obrigado desde já e parabéns pelo blog!
    Obrigado desde já.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Márcio

      O segundo cálculo é o correto, ou seja, 175 kg/ha de P2O5. 70 kg/ha de P2O5 é a recomendação. Como vc falou em 40% de aproveitamento do fósforo, estes 70 kg/ha representam os 40%. Para aproveitar os 40% vc precisa colocar bem mais fósforo.
      Compare: 98 kg x 40% = 39,2 kg/ha
      175 kg x 40% = 70 kg/ha

      Excluir
  3. certo, então 175kg/ha de P2O5/.20 (% no Super simples) = 875 kg de Super Simples/ ha. A dúvida tinha ficado pois achei elevada a quantidade de super simples. Mas valeu! Novamente parabéns pelo Blog! No caso do N a conta da eficiência seria a mesma, por exemplo considerando um pH de 5,5 a eficiência do N seria 75% (base embrapa)se na cobertura de uma dada cultura é recomendada 70kg de N, então:
    70 kg de N ----- 75%
    X---------100%
    X = 93,33 kg de N/ha
    Mais uma vez obrigado, agora ficou claro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Márcio,
      Temos que estabelecer uma coisa: Se estes dados que vc me passou 70 kg/ha de P2O5 e 70 kg/ha de N, são recomendações preconizadas pelos órgãos oficiais para adubação de uma cultura, vc não tem que recalcular baseado na eficiência. Eles já fizeram isto. Agora, como eu pensei, se vc tem (por hipótese)15 mg/dm³ de P2O5 no solo e quer aumentar para 50 mg/dm³,a diferença é 35 mg/dm³ x 2 = 70 kg/ha de P2O5, aí vale o seu cálculo de 175 kg/ha de P2O5.

      Excluir
  4. Olá Gastão,
    Exatamente, eu levei em consideração a exportação de nutriente nesses exemplos acima (fosforo) e vc já me adiantou uma pergunta que iria te fazer hj.
    Dúvida 1
    No caso das tabelas de orgãos oficiais a eficência já esta "calculada" certo? E no caso daquelas tabelas que dizem: "... para a produtividade esperada de 5 tons de algodão em caroço/hectare preciso de 100 kg de P2O5/ha se o nível no solo for adequado e 50 kg de P2O5/hectare se o nível de fosforo for alto." Estas tb já estão com a eficiência calculada (presumo)?

    Dúvida 2
    Só utilizo o método da exportação de nutrientes qdo esse estiver em nível adequado ou alto ou posso utilizar fazendo a corretiva gradual + exportação de nutrientes em uma tonelada de grãos ou algodão em caroço?

    desde já grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Márcio

      As tabelas, para qualquer condição, já vem com as quantidades recomendadas para a cultura. Elas são advindas de resultados de pesquisa com a adubação da cultura, calibrações e eficiência dos fertilizantes NPK.
      A dúvida 2, realmente é recomendável calcular por reposição quando os níveis de nutrientes estão nas faixas alta, adequada.

      Excluir

Comente, manisfeste a sua experiência, a sua dúvida, utilizando a parte de comentários.