quinta-feira, 27 de junho de 2013

Cálculo e Interpretação das Saturações por Bases e Alumínio na Fertilidade do Solo



Esta postagem é uma continuação do assunto "Cálculo e Interpretação da Soma de Bases e CTC's na Fertilidade do Solo" recentemente publicado nesse blog. O leitor deverá lê-la para estar informado e com condições de entender o assunto que comentaremos a seguir. Para ler a postagem acesse o link abaixo:

Nesta continuação do artigo, iremos abordar a representação dos conceitos soma de bases e CTC's, os cálculos e interpretações das percentagens de saturação por bases
e por alumínio e necessidade de calagem. O Quadro 1 que apresentamos aqui é o mesmo que usamos na primeira postagem comentada no início desse artigo. São análises de duas amostras de terra.


1) Representação dos conceitos soma de bases e CTC's das duas amostras


Na postagem "Cálculo e Interpretação da Soma de Bases e CTC's na Fertilidade do Solo" encontramos os seguintes valores:
amostra 1:  Soma de bases (SB) = 4,2 cmolc/dm³
                   CTC efetiva (t) = 4,2 cmolc/dm³.
NOTA:  nessa amostra 1 a CTC efetiva tem o mesmo valor da soma de bases (4,2 cmolc/dm³) porque não existe Al³+ trocável no solo.
                   CTC a pH 7.0 (T) = 6,0 cmolc/dm³
                   Saturação de Ca da CTC a pH 7,0 = 40 %
                   Saturação de Mg da CTC a pH 7,0 = 26,6 %
                   Saturação de K da CTC a pH 7,0 = 3,3 %

amostra 2:   Soma de bases (SB) = 2,46 cmolc/dm³
                    CTC efetiva (t) = 2,66 cmolc/dm³.                                
                    CTC a pH 7.0 (T) = 6,16 cmolc/dm³
                    Saturação de Ca da CTC a pH 7,0 = 30,8 %
                    Saturação de Mg da CTC a pH 7,0 = 6,5 %
                    Saturação de K da CTC a pH 7,0 = 2,16 %

Esses valores (soma de bases e CTC's) estão representados no Quadro 2.


Observamos que na amostra 1, 70 % da CTC a pH 7,0 é ocupada pelos cátions trocáveis enquanto 30 % é ocupado pelo H+. O Al³+ não existe no solo porque acima de pH 5,6 não deve existir mais alumínio. O solo da amostra 1 tem pH em CaCl2 de 5,6 que se relaciona a um pH em água de 6,3.
Por outro lado, na amostra 2 a soma de bases ocupa 39,9 % da CTC a pH 7,0, o Al³+ em torno de 3,2% e o H+ 56,8 %. A leitura de um pH em CaCl2 de 4,7 para um pH em água é de 5,4.
A necessidade de calagem deverá ser maior na amostra 2.

2) Cálculo e Interpretação da Percentagem de Saturação por Bases (V%)


A fórmula utilizada para cálculo da percentagem de saturação por bases ou V% é a seguinte:
V (%) = 100 x SB / T

amostra 1:  V % = 100 x 4,2 / 6,0 = 70 %
amostra 2:  V % = 100 x 2,46 / 6,16 = 39,9 %

O V% é um bom indicativo das condições de fertilidade do solo. Os solos que apresentam V > 50% são considerados férteis (eutróficos), enquanto os solos com V < 50% são chamados de baixa fertilidade (distróficos). A maioria das culturas apresentam boa produtividade quando o V está compreendido entre 50 e 80% e um pH entre 6,0 e 6,5. Quando não acontece isso, devemos buscar elevar a saturação por bases de acordo com a cultura e a recomendação de calagem dos órgãos oficiais de cada Estado brasileiro. Esse valor das culturas, no cálculo da necessidade de calagem, é o V2.
Na amostra 1, a relação Ca/Mg é 1,5. Embora, pelo V = 70% e m = 0% temos uma hipótese de fazer a calagem para adicionar Ca²+ e Mg²+. A amostra 2 apresenta uma relação Ca/Mg de 4,75:1 a qual deverá ser mantida na calagem. A relação ideal, segundo alguns autores, é de 3 a 5:1.
LEIA:    Significados de S, CTC, V e m na interpretação da análise do solo
             Alumínio, o inimigo das plantas
             Valor da CTC mal aplicado superestima a necessidade de calagem


3) Cálculo e Interpretação da Percentagem de Saturação por Alumínio (m%)


A percentagem de saturação por Al³+ nos dá uma referência da probabilidade de ocorrer toxidez de alumínio para as plantas. No que diz respeito à fertilidade do solo, o m% não deve ser superior a 10-20%, dependendo da cultura utilizada. Existem culturas que toleram uma maior saturação por alumínio. Na classificação dos solos, aqueles que possuem o valor m > 50% são chamados de solos álicos.
Para cálculo da percentagem de saturação por alumínio, usa-se a seguinte fórmula. Atente para o fato que, nesse caso, se usa a CTC efetiva (t).
m (%) = 100 x Al³+ / t

amostra 1:  m = 100 x 0 / 4,2 = 0%
amostra 2:  m = 100 x 0,2 / 2,66 = 7,5%
Portanto, chegamos à conclusão que na amostra 1 não há problemas de toxidez por Al³+,  enquanto na amostra 2 é muito baixa.

Na próxima postagem (02/07/2013), abordaremos o cálculo da necessidade de calagem, o tipo de calcário a ser aplicado ou gesso agrícola, quanto de Ca e Mg serão adicionados e como manter a relação Ca/Mg em 4,75/1.


Um comentário:

Comente, manisfeste a sua experiência, a sua dúvida, utilizando a parte de comentários.