terça-feira, 11 de março de 2014

Capacidade de Troca de Cátions: efetiva e a pH 7.0

O que é CTC do solo?

No solo os cátions são formadores de cargas positivas, adsorvidos aos coloides e podem ser substituídos por outros cátions. Daí o nome de "Cátions Trocáveis": o cátions Ca²+ pode ser trocado pelo cátion K+ e pelo H+ e vice versa.  Capacidade de Troca de Cátions (CTC) vem a ser o número total de cátions que o solo pode reter e que vai depender da quantidade de cargas negativas presentes. Quanto maior o número de cargas negativas num solo maior será a sua capacidade de troca de cátions ou de reter cátions.
Nos solos há uma predominância das cargas negativas, embora apresentem, também, cargas
positivas. A matéria orgânica do solo é formada de cargas negativas e dependentes de pH. Os solos argilosos teriam uma maior CTC e maior capacidade de reter cátions. Os solos arenosos teriam poucas cargas negativas, reteriam menos cátions e, portanto, sujeitos à alta lixiviação de K. Entretanto, podemos encontrar solos argilosos que se comportam como arenosos, pela baixa atividade de suas argilas e presença de óxidos de ferro e alumínio.

Cálculo das CTC's do solo?

Existem dois tipos de CTC:


1. CTC efetiva (t)


A CTC efetiva vem a ser a capacidade do solo de reter cátions ao pH natural. Se o resultado da análise de uma amostra de solo informar um pH em água de 4,8. este seria o pH natural do solo. Então, os cátions Ca²+, Mg²+, K+ e Na+ mais o cátion ácido Al³+ comporiam a CTC efetiva (t) do solo. Para o cálculo, se usaria os valores destes cátions expressos numa unidade cmolc/dm³ ou mmolc/dm³, de acordo com o resultado da análise.
IMPORTANTE! para o cálculo, todos os valores devem estar expressos na mesma unidade: ou cmolc ou mmolc. Não se pode misturar unidades expressas em mg/dm³ ou outra, com unidades expressas em cmolc ou mmolc. Quando o K e o Na estiverem expressos em mg/dm³ e o Ca, Mg e Al em cmolc/dm³ e mmolc/dm³ deve-se fazer a conversão. para entender como fazer, leia o artigo no link a seguir.
conversão cmolc em mg/dm³ e vice versa

Cálculo da CTC efetiva
Utilizando os dados do Quadro 1, verificamos que todos os cátions básicos estão expressos na unidade cmolc/dm³. Então, a CTC efetiva vai ser expressa em cmolc/dm³.
CTC efetiva (t) da amostra 1 = K + Ca + Mg + Al
CTC efetiva (t) da amostra 1 = 0,08 + 6,0 + 2,29 + 0,0
CTC efetiva (t) da amostra 1 = 8,37 cmolc/dm³
A análise da amostra 3 que é originária de um solo arenoso, a CTC efetiva será:
CTC efetiva (t) da amostra 3 = 0,12 + 0,65 + 0,12 + 2,0
CTC efetiva (t) da amostra 3 = 2,89 cmolc/dm³
O que podemos analisar, comparando as amostras 1 (solo argiloso) e a amostra 3 (solo arenoso)?
A amostra 3 tem a CTC efetiva mais baixa por causa de sua textura arenosa o que não permite reter cátions.  Daí os preoblemas de perdas de cáions por lixiviação e um manejo criterioso da adubação deve ser feito, procurando parcelar as aplicações de adubos nitrogenados e potássicos em várias vezes.
Na amostra 3 quase 70% dos pontos de troca estão ocupados pelo Al³ (2,0 cmolc/dm³) o qual acarretará sérios prejuízos para o desenvolvimento da cultura. Na amostra 1 não há presença de Al³.


2) CTC a pH 7,0 (T)


A CTC a pH 7.0 reflete a quantidade de cátions adsorvida a pH 7.0. O máximo de cargas negativas liberadas a pH 7,0 e ocupadas por cátions.

Cálculo da CTC a pH 7,0
CTC a pH 7.0 (T) =  K + Ca + Mg + (H + Al)
CTC a pH 7,0 (T) da amostra 1 = 0,08 + 6,0 + 2,29 + 5,0
CTC a pH 7,0 (T) da amostra 1 = 13,37 cmolc/dm³
CTC a pH 7,0 (T) da amostra 3 = 0,12 + 0,65 + 0,12 + 7,7
CTC a pH 7,0 (T) da amostra 3 = 8,59 cmolc/dm³
A amostra 1 tem a maior quantidade de cátions adsorvidos (retidos) a pH 7.0 que a amostra 3.
As amostras 1 e 3 apresentam CTCs a pH 7.0 com grande quantidade de H+. Este H precisa ser neutralizado pela calagem, para liberar cargas negativas.

Os Estados brasileiros, através de seus órgãos de pesquisa e as recomendações de calagem e adubação, apresentam tabelas onde classificam os níveis de CTC's, V%, conforme os dados obtidos nos trabalhos experimentais a campo. O produtor de cada região deve consultar as assistências técnicas locais para a interpretação das análises de solos. É importante o conhecimento destas tabelas regionais para uma correta recomendação de adubação.




9 comentários:

  1. Parabéns professor pela sua iniciativa em criar este blog. Tomara que outros mestres sigam seu caminho. Felicidades.

    ResponderExcluir
  2. Professor, parabéns! Gostaria de saber se existe algum blog de algum colega seu da área de irrigação...

    ResponderExcluir
  3. Professor, boa tarde.
    Muito show!!! Estou aprendendo muito com suas materias, são praticas e faceis de entender! Bem explicadas. Parabens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Gustavo. Isto nos motiva a prosseguir. Gostaríamos de ter mais tempo para nos dedicarmos melhor.
      Um abraço. Sucesso no seu trabalho.

      Excluir
    2. Olá professor, tbm gostei das informações, teria como explicar as características da CTC,? Não acho algo muito bem definido, só sei que começa com atividades de superfície :/

      Excluir
    3. CTC a pH 7 é a soma dos cátions básicos Ca, Mg, K, Na mais (H+Al.
      Leia:
      http://agronomiacomgismonti.blogspot.com/2009/08/analise-de-solos-os-conceitos-de-s-ctcs.html

      Excluir

Comente, manisfeste a sua experiência, a sua dúvida, utilizando a parte de comentários.