quinta-feira, 26 de agosto de 2010

A Utilização da Urina de Vaca como Fertilizante

A urina de vaca vem sendo utilizada para aplicação como fertilizante para as plantas, e como repelente para os insetos. Ela contém todos os dezesseis elementos essenciais para o desenvolvimento das plantas, macro e micronutrientes, mais sódio, e alumínio; possui, também, na sua composição os "fenóis" que aumentam a resistência das plantas, bem como o hormônio responsável pelo crescimento das plantas, o ácido indolacético que em frutíferas contribui para a formação de frutos maiores. A urina de vaca melhora as condições do solo - tendo papel importante no aumento da produtividade das plantas - e apresenta microorganismos que decompõem a matéria orgânica. Entretanto, muita pesquisa terá que ser feita para verificar sua eficiência em várias culturas.
Oliveira,Ademar P. et al. (2001) concluiram que a aplicação de urina de vaca aumenta a produção de pimentão na presença e na ausência de adubação NPK, sendo seu efeito mais expressivo quando foi aplicado adubo NPK. No pimentão, a concentração de 5% foi a que provocou maior produção. Em sistemas de cultivo orgânico de pimentão, a urina de vaca pode ser uma fonte alternativa em relação à convencional de NK.
Pela alta diluição, a urina aplicada nas folhas não deixa cheiro, nem gosto. Segundo a pesquisadora Regina Celi - Pesagro, a aplicação de urina no abacaxi inibe o desenvolvimento da doença "fusariose", e ainda possibilita a frutificação da planta doente. No caso de frutas e hortaliças, a recomendação do Pesagro, é a aplicação de urina somente via solo.
Na cafeicultura, utiliza-se a urina de vaca para combater o bicho mineiro, na concentração de 5%.
A urina deve vir de vacas em lactação, pois ela tem maior concentração de fenóis e hormônios. Pode ser usada, também, a urina de cabra, mas a diluição deve ser a 0,5%, pois ela é rica em nitrogênio (N).
A urina deve ser coletada em baldes e depois guardada em recipientes fechados por três dias antes de usá-la nas diluições. Mantida em recipientes bem fechados ela pode ser conservada pelo prazo de até doze meses.
A urina de vaca é diluida a várias concentrações: a 1% significa 1 litro de urina diluida em 100 litros de água; 0,5% significa meio litro de urina em 100 litros de água.
As recomendações variam de 0,5 a 5% conforme a cultura. Há quem recomende, no caso de frutíferas e na horticultura, diluições a 1% para serem aplicadas quinzenalmente. No caso de aplicação via solo, a diluição deve ser de 5%. Outros recomendam, para as espécies olerícolas, a diluição de 0,5% aplicada semanalmente.
Nos três primeiros dias após a aplicação, a urina, pelo forte cheiro, funciona como repelente, como no caso a mosca branca. A aplicação deve ser feita nas horas menos quentes do dia.

2 comentários:

  1. Caro Colega

    Nestes tempos de sustentabilidade,há que aproveitar,há que não desperdiçar resíduos,
    em que se incluem os líquidos das vacas,pela sua composição e débito. De resto,mesmo sem conhecimento da sua composição,o seu uso,de vacas,e não só,incluindo os hunanos, vem desde tempos imemoriais. São bemvindos,pois,os textos como o que acabei de ler.
    A propósito,fica ,aqui,mais uma página,em que se fala das tropelias que ovelhas podem fazer.

    MANTA DE RETALHOS

    Olhe que esse terreno não lhe vai servir para o ensaio,e quem o escolheu não sabe o que anda a fazer. É que um rebanho de ovelhas andou por ele tratando da sua vida. Havia,de facto,alguns vestígios sólidos da sua passagem. Dos líquidos,a análise logo os acusou.
    As ovelhas tinham privilegiado certos sítios,pelo que aquilo era uma manta de retalhos. Onde se tinham mais demorado,os teores de potássio eram muito mais altos.
    Serviu este caso para se ter mais cuidados na selecção de locais para ensaios,para os quais se exige a maior uniformidade.

    Muito boa saúde,Caro Colega,e muito obrigado pela sua lembrança,pelo bisar das citações.

    ResponderExcluir
  2. Caro Colega

    A propósito de vaca,talvez a página adiante tenha aqui cabimento,pelo que fica ao seu dispor.

    MELANCIAS EM CAMA ORGÂNICA

    Uma cultura assim é que ele nunca tinha visto. Em terra,em soluções nutritivas,já ele conhecia. Agora,num monte de palha enriquecida com desperdício de vacas,é que era novidade. Pois ali estavam aquelas ricas melancias. E que grandes elas eram. Apetecia,naquele tarde de calor de rachar,servir-se de uma. Mas não era ainda época disso. Tinha de ter paciência,e esperar.
    Ali estava,pois,um caso da agricultura biológica. Um caso que não se podia generalizar,visto não haver,nem palha que chegasse,nem vacas também. Melancias asim, só ali para a família,quando muito. A maioria tinha de continuar a preferir os bens de consumo gerais,obtidos pelos processos de sempre.

    Muito boa saúde,Caro Colega.

    ResponderExcluir

Comente, manisfeste a sua experiência, a sua dúvida, utilizando a parte de comentários.