sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Carbono Orgânico Total (COT) Determina Qualidade do Solo

Agricultura Sustentável/Meio Ambiente

O sistema plantio direto proporciona aumentos significativos nos teores de carbono e nitrogênio do solo. Apesar de ser um sistema de proteção do solo, reduzindo as perdas de camadas de terra pela erosão, não é utilizado por muitos agricultores que ainda preferem o sistema convencional. O sistema convencional, como sabemos, usa o preparo do solo através de aração e gradagem, revolvendo o solo e incorporando os resíduos vegetais. Isto faz com que a
camada superficial do solo fique desprotegida, sujeita à erosão provocada pela água das chuvas e pelo vento. O solo, sem esta proteção na sua superfície, sofre grandes perdas, não só de terra, também de carbono (C) e nitrogênio (N). O carbono orgânico total (COT) é a principal fonte de N e serve para determinar a qualidade do solo e tem uma importancia muito grande na agricultura sustentável. As propriedades físicas, químicas e biológicas do solo são estimadas pela fração orgânica, determinada pelo carbono orgânico total (COT). Em geral, a matéria orgânica do solo contém 58% de carbono (C). A degradação do solo influi diretamente no teor de N, pois o COT é a principal fonte deste nutriente. A adoção de práticas conservacionistas, rotação de culturas favorecem o aumento e a recuperação da matéria orgânica do solo, pois a diminuição do revolvimento do solo e os resíduos que cobrem a superfície do solo contribuem para isto.
Lemainski et al estudaram o estoque de COT e nitrogênio total sob diferentes sistemas de cultivo, em Maximiliano de Almeida/RS: plantio direto, plantio convencional, cultivo mínimo, pastagem nativa e mata nativa. As áreas onde a cobertura vegetal foi retirada constantemente, com a superfície do solo desprotegida, o estoque de COT sofreu uma queda de 36% e o de nitrogênio total 33%, em relação ao estoque na mata. Quando foi utilizado o sistema de cultivo mínimo, onde o revolvimento do solo é menor e com o aporte de resíduos, a queda foi de 11% no COT e 14% no N total. No sistema de plantio direto com rotação de culturas, os estoques de COT e de N total ficaram próximos àqueles encontrados na mata nativa, com reduções de 7 e 10%, respectivamente. Os solos da mata nativa tiveram uma redução de 14% no COT e 21% de N total. Pelo que se observa, o manejo do solo é muito importante para aumentar o COT e N total. O plantio direto com rotação de culturas, principalmente leguminosas, é importante para provocar estes aumentos.
Rangel et al (2007) observaram grande aporte de carbono orgânico nas entrelinhas do cafeeiro, quando foram depositados resíduos vegetais na forma de restos de capina, restos da cultura e resíduos de recepa, comparado ao obtido na projeção da copa. O mesmo foi observado em espécies florestais nativas e exóticas em virtude do depósito natural de resíduos das plantas, ou seja, folhas, galhos, decomposição das raízes e outras formas de resíduos. As árvores mais velhas, pela maior quantidade de celulose e lignina, têm maior resistência à decomposição dos resíduos e contribuem para elevar os teores de carbono orgânico do solo.
Um fator negativo é o revolvimento constante do solo. A matéria orgânica do solo é um grande reservatório de nitrogênio, os constantes revolvimento e o mal manejo ocasionam uma queda deste depósito e aumentam as emissões de CO2, causando impacto no meio ambiente pela liberação de gases de efeito estufa.
Kunde, Roberta Jeskel et al chegaram à conclusão que os sistemas conservacionistas de manejo do solo, através da adição de resíduos vegetais promovem a manutenção dos teores de COT, sobretudo na camada superficial do solo.
Leite,L.F.C et al, estudando os estoques totais de carbono orgânico e seus compartimentos em argissolo sob floresta e sob milho cultivado com adubação mineral e orgânica (Rev. Bras. Ciência do Solo, vol. 27 nº 5 Viçosa, set/out/2003) chegaram às seguintes conclusões: os estoques de carbono orgânico e de nitrogênio total diminuíram após a mudança da Mata Atlântica para agricultura; a presença de adubação orgânica aumentou os estoques de carbono orgânico e N total, em comparação aos sistemas de produção com adubação mineral ou sem adubação; os estoques de carbono da fração leve e do carbono lábil foram reduzidos com maior intensidade do que o COT, principalmente nos sistemas de produção sem adubação orgânica; os sistemas de produção com a utilização da adubação orgânica não apresentaram potencial para sequestro de carbono e foram responsáveis pela maior emissão de CO2 para atmosfera. Entretanto, a aplicação de composto orgânico constituiu uma forma efetiva de reciclagem de nutrientes e retorno de carbono ao solo.
OUTROS ARTIGOS PARA LER
Matéria orgânica do solo
Rotação de culturas contra a monocultura
Cobertura com palha de cana reduz emissões de gases de efeito estufa
Essencia para o sucesso do plantio direto
O carbono e as plantas
Os nutrientes das plantas - Nitrogênio

4 comentários:

  1. Como eu descubro o teor de Carbono Organico em percentagem?? Na minha analise contem 60 g/dm3 de M.O e 35 g/dm3 de C.O..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia o artigo do link abaixo:
      http://agronomiacomgismonti.blogspot.com/2013/08/transformar-unidades-de-solos-em.html

      Excluir
  2. Gostaria de um esclarecimento pois tem descrito no fertilizante a base de algas 10% de carbono total nesse caso eu poderia considerar que seria 10% de nitrogenio ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é possível fazer esta relação. Quanto maior o teor de matéria orgânica maior o N. Do teor de C x 1,724 temos o teor de Matéria orgânica. Portanto quanto maior o teor de carbono maior o de MO e maior disponibilidade de N.

      Excluir

Comente, manisfeste a sua experiência, a sua dúvida, utilizando a parte de comentários.