terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Utilização do Pó de Basalto na Agricultura

Segundo estudos realizados, o pó de basalto possui propriedades de recuperar solos degradados e repor os nutrientes retirados pelas plantas, nas colheitas. É um fertilizante que o Brasil não precisa importar. É uma matéria-prima nacional, inesgotável, de fácil exploração e distribuída em todas as regiões do país. Ele faz parte da adubação orgânica: palhadas, adubo verde, pó de rochas. Os solos pobres agradecem a reposição de nutrientes, pela incorporação de rocha basáltica moída. Faz parte da agricultura sustentável. Ele se diferencia da adubação mineral: os adubos químicos, pelo uso continuado, deixam os solos pobres; o pó de basalto enriquece o solo com nutrientes, pois apresenta, na sua composição, 19 elementos para promoverem o desenvolvimento da planta.
No solo, o pó de basalto é atacado pelos microorganismos (bactérias e fungos), pelas secreções ácidas das raízes das plantas que solubilizam o pó moído. O solo não deve ser preparado, mas mantida a cobertura vegetal e a adubação verde para uma melhor eficiência do pó de basalto. A maneira de aplicar o pó é semelhante à aplicação do adubo químico. O produtor deve escolher variedades de ciclo mais longo. As leguminosas, como o feijão e a soja, levam uma grande vantagem em relação as demais culturas, em termos de produtividade, porque têm a propriedade de fixar o N do ar. No Estado de Santa Catarina, no município de Porto União, os produtores estão obtendo excelentes resultados com a aplicação de pó de basalto. Um video preparado pela  EPAGRI - Programa SC Agricultura -  mostra os excelentes resultados.
São inúmeras as vantagens proporcionadas pela utilização do pó de basalto:
1) liberação lenta de nutrientes;
2) as perdas de nutrientes, por lixiviação, são reduzidas;
3) economia no emprego da mão-de-obra;
4) neutraliza a acidez do solo;
5) não tem propriedades acidificantes nem salinizantes para o solo;
6) a presença de sílica diminui a fixação do fósforo;
7) é uma boa fonte de micronutrientes para as plantas;
8) economia no emprego de fertilizantes;
9) substitui a adubação química e tem efeito residual maior;
10) menor incidência de pragas e doenças.
As mudas cítricas, que receberam no plantio uma quantidade de pó de basalto, apresentaram um desenvolvimento mais rápido e as folhas são maiores e mais pesadas. Por sua vez, as hortaliças, quando recebem aplicações de pó de basalto no solo, apresentam folhas com maior resistência ao ataque de patógenos. As melancias, que recebem, na cova, uma mistura de pó de basalto e húmus na proporção 1:1, apresentam folhas mais desenvolvidas e o controle de pragas e doenças é mínimo.
No pó de basalto, a liberação de nutrientes é contínua e progressiva. O ideal é empregar uma mistura de grãos finos e grãos mais grossos. As partículas finas têm uma liberação mais rápida de nutrientes. As grossas, por sua vez, vão liberando os nutrientes mais lentamente. Mas para uma boa eficiência do pó de basalto é necessário um solo com vida microbiana intensa. Os resultados serão melhores num solo bem provido de matéria orgânica.
As recomendações, em geral, são de 2 t/ha para as culturas anuais e perenes, incorporando no solo. Nas frutíferas, utiliza-se mais 2 kg/planta na formação da muda. Nas hortaliças, a quantidade varia de 100 a 150 g/m². Nas abóboras e melancias, usar uma mistura de 1 kg de pó de basalto e 1 kg de húmus, na cova.

OUTROS ARTIGOS PARA LER
A matéria orgânica do solo
Recuperação de solos degradados
Os microorganismos do solo
A essência para o sucesso do plantio direto
As vantagens do plantio direto

3 comentários:

  1. o pó de rocha ´r recomendado para o tomate?

    ResponderExcluir
  2. Mandei analizar o po de rocha basaltica de minha regiao margem rio parana e contem aluminio +++ perguntar tem como neutrlizar este aluminio antes de aplicar

    ResponderExcluir

Comente, manisfeste a sua experiência, a sua dúvida, utilizando a parte de comentários.